Turmalina, 2 de novembro de 2018.

O feriado de Finados é tradicionalmente conhecido por homenagens prestadas a entes e amigos que já faleceram. Porém o que vem chamando a atenção dos turmalinenses não são aqueles que já morreram e sim o Hospital São Vicente de Paula, que devido a dificuldades financeiras segue sob ameaça de fechar.

Nas últimas semanas foi lançada a campanha ”LUTO PELA SAÚDE”, a qual dirigi uma cobrança de R$414.000,00 (Quatrocentos e quatorze mil reais) a Prefeitura Municipal de Turmalina-MG, valor referente a uma subvenção para manutenção básica do hospital.

Em nota a Prefeitura Municipal de Turmalina alega um equivoco por parte do Hospital na divulgação das informações, confira a nota na integra:

Segundo a mesma, todos os repasses referentes as verbas de URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, estão em dias, o que em suma é verdade, mas em contra partida a nota nada esclarece sobre o segundo convênio (que é o cobrado pelo hospital).

Ainda segundo apurado por nossa equipe, houve diversas tentativas de conversa com o prefeito Carlinhos Barbosa e sua equipe, conversas que foram frustradas pelo atraso nas reuniões e por o mesmo se mostrar irredutível quanto ao pagamento da dívida

Em contra partida a Câmara Municipal de Turmalina na última terça-feira (30/10/2018), encaminhou um oficio para o gestor cobrando o repasse das verbas oriundas da Lei Municipal nº: 1.969 de 14/03/2018, referentes a subvenção de recursos básicos á instituição, que já chega a 6 meses de atraso.

Apesar da tensão entre ás instituições, o Hospital já cogita um racionamento de recursos visando manter o atendimento durante o maior tempo possível, mas ainda assim, o não pagamento da dívida tornaria o pleno funcionamento do Hospital inviável,  o que gera muita preocupação entre os moradores da cidade que usam exclusivamente os serviços do SUS.

O minhajequitinhonha.com ressalta sua posição neutra e deixa aberto o espaço para que ambas as partes possam se manifestar, afim claro de sempre manter o cidadão turmalinense informado.

Por: Matheus Godinho Pinheiro.

Responder