Cerca de 30 professores da rede municipal de ensino realizaram neste sábado, 24 de novembro, um protesto em frente a Caixa Econômica Federal para cobrar o pagamento da 3ªparcela do salário que está atrasado desde o dia 20 de outubro. O protesto já vinha sendo anunciado desde o meio da semana, por meio do perfil do Sindicato dos Servidores Municipais de Capelinha, o SINCERCA.

A reportagem do Jornal Gazeta dos Vales acompanhou toda a manifestação e registrou a insatisfação dos profissionais que aguardavam o pagamento dos salários.

Em conversa com uma professora que passava pelo local no momento, ela disse ser válida a manifestação, mas classificou como sem necessidade a realização do ato. “Eu sei das dificuldades que os professores tem passado, mas acompanho o noticiário e vejo diariamente o que os municípios mineiros vem enfrentando com a falta de repasses dos recursos pelo estado”, disse a professora que mesmo sendo concursada, pediu para não se identificar, por medo de retaliação das colegas.

“Eu tenho parentes na cidade de Divinópolis, e lá a Prefeitura já vem atrasando os salários dos educadores desde setembro deste ano”, relatou outra professora que foi procurada pela nossa reportagem.

Em resposta ao protesto, a Prefeitura divulgou a seguinte nota:

A Prefeitura de Capelinha respeita o protesto de alguns servidores da Educação, e informa que a maioria não participa, está em sala de aula neste sábado. Todos os estabelecimentos de Ensino da Rede Municipal estão funcionando normalmente.

É sabido por todos que o Governo de Minas não tem quitado suas dívidas com os municípios, e tem retido repasses financeiros que deveriam, por Lei, chegar aos cofres públicos, principalmente em relação ao FUNDEB, fundo que mantém a Educação Básica.

Ainda assim, a Prefeitura de Capelinha tem mantido em dia o salário do funcionalismo público, inclusive já tendo gasto quase R$ 3 milhões de reais em recursos próprios para quitar a folha da Educação. Neste mês de novembro, o salário da Educação precisou ser parcelado, já tendo sido pagos 70%. Os outros 30% restantes seriam pagos no último dia 20, porém, por falta de recursos, está previsto para ocorrer no próximo dia 30.

Esta é uma situação que ocorre na grande maioria dos municípios mineiros. Há cidades, por exemplo, que os servidores de todas as áreas estão com os salários atrasados há mais de dois meses. Enquanto aqui em Capelinha, mesmo diante de toda essa crise, a boa gestão do dinheiro público permite que a cidade permaneça em constante desenvolvimento.

 

Fonte: Gazetadosvales

Responder